Depressão e Suicídios em Joinville: problemas a serem enfrentados

por Rafael José Nogueira - 28 de outubro de 2017

  1. O que é depressão: características

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-5:

“Os transtornos depressivos incluem transtorno disruptivo (suspensivo) da desregulação do humor, transtorno depressivo maior (incluindo episódio depressivo maior), transtorno depressivo persistente (distimia), transtorno disfórico pré-menstrual, transtorno depressivo induzido por substância/medicamento, transtorno depressivo devido a outra condição médica, outro transtorno depressivo especificado e transtorno depressivo não especificado.”

De modo mais didático:

  1. Depressão maior: Mais de duas semanas de depressão que esteja presente na maior parte das situações.
  2. Distimia: “Este transtorno representa uma consolidação do transtorno depressivo maior crônico e do transtorno distímico definidos no DSM-IV”. Temos os mesmos problemas cognitivos e físicos presentes na depressão, com sintomas menos severos porém mais duradouros.
  3. Depressão atípica: Os depressivos nesse caso ingerem mais alimentos. Também dormem muito, sentem-se mais cansados e apresentam um sentimento forte de rejeição.
  4. Depressão pós-parto: Ansiedade e traumas na gravides.
  5. Distúrbio afetivo sazonal (DAS): Depressão em períodos específicos no caso outono ou o inverno e não aparecem em outras épocas.
  6. Tensão pré-menstrual (TPM): Presença de pelo menos 5 dos sintomas descritos no tópico depressão maior
  7. Pesar (Reação de luto): Reação saudável ao luta entre 3 a 6 meses.

Alguns sintomas e sinais:

Cognitivos

Humor deprimido: desânimo persistente, tristeza, baixa autoestima, sentimentos de inutilidade, vazio, culpa ou/e irritabilidade;

Redução da capacidade de experimentar prazer na maior parte das atividades, antes consideradas como agradáveis;

Diminuição da capacidade de pensar, de se concentrar, memorizar ou de tomar decisões;

Ideação suicida.

Fisiológicos

Fadiga ou sensação de perda de energia;

Alterações do sono (mais frequentemente insônia, podendo ocorrer também sonolência excessiva ou sono interrompido);

Alterações do apetite (mais comumente perda do apetite, podendo ocorrer também aumento do apetite);

Redução do interesse e prazer sexual;

Agitação motora, inquietude;

Alterações dos rimos circadianos (dormir fora de hora).

Evidências comportamentais

Retraimento social (isolamento social);

Chorar mais e com mais frequência;

Comportamentos suicidas;

Retardo psicomotor e lentificação generalizada, ou agitação psicomotora;

Tentativa de suicídio.

Comportamento autodestrutivo (automutilação).

 

2. Situação de Joinville em números

Entre 2012 e 2016, Joinville teve 197 suicídios: 155 homens (78,68%) e 42 mulheres (21,31%);

Joinville segue uma tendência estadual de mais homens praticando o suicídio.  Em Santa Catarina no ano de 2016, foram 660 suicídios: 507 homens (76,81%) e 153 (23,18%)

Do mesmo modo a questão permanece em nível nacional com a maioria esmagadora de homens se matando. Conforme dados de 2015 foram 152.136 mortes no total dividas em: 124.839 homens (82,05%),  27.130 mulheres 17,83% e 167 pessoas com o sexo ignorado (0,12%)

Em Joinville não é diferente situação nacional com relação ao número maior de casos envolvendo homens.

Tabelas A e B:

Fonte: A Notícia e Ministério da Saúde.

2.1 Dados municipais

Tabela 1: Mortes gerais por suicídio em Joinville de 2012 a 2017. Repare que nesse recorte o ano passado tivemos recorde.

Fonte: A Notícia e Ministério da Saúde.

 

Tabela 2: As mortes até 2016 por sexo. Fica evidente que os homens se matam mais analisando os dados.

Fonte: A Notícia e Ministério da Saúde.

 

3. Homens (Joinville)

 

Tabela 3: Nos dados pela cor até 2015 onde temos dados disponíveis como era de se esperar a maior parte dos homens tem a pele branca. Isso se dá pela maioria dos catarinenses serem descendentes de europeus comparados com outros Estados brasileiros.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabelas 4, 5, 6 e 7: Sobre a escolaridade até 2015, a escolaridade de 8 a 11 anos lidera exceto em 2015. O tempo coincide aproximadamente com o término do ensino fundamental e a inconclusão do Ensino Médio.

 

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabela 8: No Estado Civil com informações até 2015 os solteiros parecem terem mais tendência ao suicídio, possivelmente por estarem mais solitários e sem apoio de uma companheira ou companheiro. Reflete bem a sociedade atual onde os homens e mulheres estão se casando cada vez mais tarde e ficando longos períodos solteiros.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabela 9: Sem dúvida a maior parte dos homens se matam em suas residências geralmente em algum descuido da família mediante grave crise depressiva.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabelas 10, 11,12 e 13: Por fim nas tabelas por idade há bastante variação considerando o período de 2012 a 2015. Em 2012 os homens idosos lideraram. Em 2013, a idade diminuiu um pouco. Já em 2014 os homens entre 40 a 49 anos se destacaram e em 2015 a mesma faixa etária empatou com a de 30 a 39 anos.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

4. Perfil Masculino joinvilense

O perfil que podemos construir dos homens joinvilenses que cometem o suicídio diante dos números é que a maioria são brancos, com um  escolaridade de 8 a 11 anos que coincide com o período de ensino fundamental e médio incompleto aproximadamente. São solteiros, mas há um bom percentual de casados. Estão numa faixa etária que pode variar entre 30 a 69 anos. A maior parte sem dúvida suicida-se em casa.

 

5. Mulheres (Joinville)

 

Tabela 14: Na questão da cor as mulheres seguem os homens com a maioria branca só que com o percentual muito maior.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabelas 15, 16, 17 e 18: A escolaridade é mais baixa em comparação com os homens das mulheres que suicidam-se.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabela 19: Em todos os anos as mulheres casadas tiveram um percentual maior, diferente dos homens que houve uma pequena variação com os solteiros.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabela 20: No local da morte as mulheres se igualam sendo a maioria cometendo o ato em casa.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Tabelas 21, 22, 23 e 24: Os homens não apresentam uma padrão de idade mais suscetível ao suicídio. Já as mulheres aqui nos gráficos aparentam se concentrar mais entre 40 e 49 anos.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

6. Perfil Feminino

A maior parte tem a pele branca. A escolaridade baixa variando de 1 a 3 anos e de 4 a 7 anos que se alinha com o período de ensino fundamental incompleto. São casadas e  a sua faixa etária fica entre 40 a 49 anos. Os suicídios acontecem mais em casa.

 

7. Fontes:

 

BRASIL. Datasus – Ministério da Saúde. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/ext10br.def Acesso em: 28 out. 2017.

DEEPASK. Suicídios: Veja número de mortes por cidade do Brasil – JOINVILLE, SC. Disponível em: http://www.deepask.com/goes?page=joinville/SC-Confira-o-numero-de-suicidios-no-seu-municipio  Acesso em: 28 out. 2017.

MORRIESEN, Claudia. Joinville registra 24 casos de suicídio até junho deste ano. Disponível em: http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2017/08/joinville-registra-24-casos-de-suicidio-ate-junho-deste-ano-9880490.html  Acesso em: 28 out. 2017.

MORRIESEN, Claudia. Das 53 mortes registradas por suicídio em Joinville em 2016, 45 eram de homens. Disponível em: http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/geral/joinville/noticia/2017/06/das-53-mortes-registradas-por-suicidio-em-joinville-em-2016-45-eram-de-homens-9807081.html  Acesso em: 28 out. 2017